segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

VITAMINA C - ACIDO ASCÓRBICO

  vitamina C   o  grande   antioxidante.
 O ácido ascórbico é um composto hidrossolúvel que corresponde a uma forma oxidada da glicose.    Não pode ser sintetizada por seres humanos e primatas.





Metabolismo
Nos seres humanos a vitamina C se absorve no intestinos  através dos mesmos receptores da glicose para entrar na célula –por isso o consumo de doces e carbohidratos simples diminui a absorção de vitamina ao competir por esses receptores ( POR ISSO NÃO É CONVENIENTE TOMAR VIT C COM AÇUCARES ) .
Ao ser tão similar a glicose , e usar suas mesmas vias bioquímicas se produz um fenômeno importante : QUANDO PRECISAMOS DE VIT. C , DESEJAMOS DE DOCES – por sua similitude estrutural .

A natureza planejo que os únicos alimentos doces sejam as frutas , os quais aportam esta vitamina .
Nos , seres humanos inventamos o açúcar , que ao ser ingeridas juntas , é absorvido o açúcar ,  não permitindo  a absorção de vitamina C .

A vitamina C não tem o comportamento bioquímico de uma vitamina . Em geral as vitaminas atuam como co-enzimas e se reciclam varias vezes , pelo que só se requerem em pequenas doses ( algumas miligramas)

A vitamina C é doadora de elétrons (-) e é um escudo protetor de radicais livres , e se precisa doses elevadas para repor a mesma .

Na maioria das plantas e dos animais (exceto  homem e primatas )produzem diariamente  3 a 11 gr de vitamina C a partir de glicose ( 3000 mgr a 11.000 mgr) , cifras estas 80 vezes superiores as recomendações diárias para o ser humano 60 mg /dia ( 0,06 gr /dia) .

“os animais que vivem com o “focinho “ nas lixeiras , bebendo água contaminada e se alimentando de lixo , tem taxas de doenças bem menores que os seres humanos  porque eles tem a proteção que necessitam – seu organismo produz  naturalmente de vitamina c como forma de desintoxicação e defesa -.”

As quantidades “suficientes” de vitamina c na dieta ( 60 mgr/dia) foram estabelecidas no passado , com base numa quantidade necessária para combater o escorbuto .
Hoje em dia , após novas investigações , se há descoberto que as nossas necessidades  são muito maiores .
Cálculos mais recentes  recomendam , em ocasião de  afecções viróticas , a ingestão de 3 a 4 gramas /dia .

A deficiência crônica de Vitamina C e Magnésio , ocasiona , entre outras doenças a arterioscleroses .


CONSUMA :  vitamina  C –PURA – sem adoçantes  ( naturais ou artificiais), sem sabor nem      efervecencia . A melhor versão , lógico , são as frutas .porem , se não conseguir ,pode tomar acido ascórbico  ( L-ascorbato )

 A concentração de vitamina C nos tecidos é maior que no plasma e na saliva.
 Níveis elevados se encontram nas glândulas hipófise e suprarrenal, em leucócitos, no pâncreas, nos rins, no baço e no cérebro.

Funções
A VITAMINA C  tem uma forma OXIDADA e uma forma REDUZIDA , que está em equilíbrio dependendo do potencial de oxidação do organismo .Quando a forma reduzida e levada aos pulmões , ela muda para a forma oxidada , tomando uma molécula de oxigênio , e quando retorna aos tecidos libera esse potencial de oxidação ,retornando  a sua forma reduzida .Assim a vitamina c  oxida “queima” os vírus e patogênios, e o organismo os expulsa .

Assim realiza as funções de :
- produção do colágeno
- biossíntese da carnitina
- biossíntese de hormônios e aminoácidos
 - biossíntese de outras substâncias do tecido conectivo, como elastina,
- participa da síntese e modulação de alguns componentes hormonais do sistema nervoso, como a hidroxilação de dopamina e noradrenalina
-pode aumentar a biodisponibilidade do ferro, já que o mantêm na forma reduzida (ferroso, Fe 2+), estimulando sua absorção.



Usos industriais do ACIDO ASCORBICO
As reações de oxirredução são caracterizadas pela ocorrência de processos de oxidação e de redução simultâneos. A substância que sofre oxidação, perdendo elétrons e aumentando o seu número de oxidação (Nox), é denominada agente redutora.
Já a espécie química que se reduz, ganhando elétrons e diminuindo seu Nox, é o agente oxidante.

Existem muitos agentes redutores e oxidantes comuns em nosso dia a dia.
Na medicina e na indústria, um dos agentes redutores mais conhecidos é a vitamina C, cujo nome químico é ácido L-ascórbico ou simplesmente ácido ascórbico.

O ácido ascórbico em solução aquosa possui uma facilidade excepcional para ser oxidado, portanto essa característica faz com que ele seja um ótimo antioxidante.
Isso significa que ele protege outras espécies químicas de se oxidarem, em razão do seu próprio sacrifício.
Um exemplo disso se dá quando ele é adicionado em alimentos, principalmente nas frutas. Sabemos que quando cortamos uma fruta, como por exemplo, a maçã, a banana ou a pera, dentro de pouco tempo elas escurecem. Isso se dá porque compostos fenólicos naturais oxidam na presença de enzimas e do oxigênio presente no ar. Quando esses compostos das frutas oxidam, eles geram as quinonas, que podem sofrer polimerização e formar pigmentos escuros e insolúveis, chamados de melaninas.




Porém, se adicionarmos uma pequena quantidade de suco de laranja ou de limão na fruta cortada, isso evitará que essa reação ocorra. Esse procedimento é eficaz porque o suco contém vitamina C, sendo que na presença de oxigênio e de um catalisador, o ácido ascórbico se oxida.

Essa função como agente redutor ou antioxidante da vitamina C é muito importante para a indústria de alimentos, pois se calcula que em torno de 50% da perda de frutas tropicais no mundo ocorre em razão da enzima polifenol oxidase, que causa essa oxidação das frutas. Assim, para evitar que o alimento sofra alteração, atualmente muitos alimentos industrializados recebem adição de vitamina C.
Essa medida é prática porque também confere ao alimento o valor nutricional da vitamina C, que previne doenças como o escorbuto, além de atuar na acumulação de ferro na medula óssea, baço e fígado; na produção de colágeno, que é uma proteína do tecido conjuntivo; também na manutenção da resistência do organismo a doenças bacterianas e virais; na formação de ossos e dentes; na manutenção dos capilares sanguíneos, entre outras.


 referncias bibliograficas 
1-http://www.ilsi.org/Brasil/Documents/21%20-%20Vitamina%20C.pdf
2-